segunda-feira, 6 de junho de 2016

Somente

Na chuva é quando ela surge.
Entre os bambus e as mesas,
inunda meu coração com um sorriso.

Como a maré cheia,
seu respiro me invade os pulmões,
seu perfume a minha boca,
seu calor alaga todo o meu corpo.

É ela, quem me faz respirar.
E seu cheiro dentro de mim me faz não expirar.
Só a inspiração no une, sem um beijo sequer.

A vontade da polpa dos frutos da palmeira,
misturado ao café e as águas borbulhantes,
nos fundem de amor.

Prateada, tens o sorriso mais sincero.
Ela é a mais bela dos Mares e das Anas.
A mãe dos futuros filhos teus,
hoje existe somente ela, Mariana.


Rafael Cunha

sábado, 25 de julho de 2015

Crescido

Se uma febre sua seus poros,
com os meus copos,
os meus beijos se secam.

Quando um abraço,
laçado em seus seios,
sua em meu corpo,
por meio de um beijo.

Te amo adentro,
lá fora descaso,
e o meu compasso,
é doutra sem jeito.

Enquanto retorno,
a cura no peito,
o meu sonho disfarço,
e ainda, noutra suado
seus lábios não vejo.


Rafael Cunha

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Respingo

Esta semana minhas lágrimas caíram do céu,
chorei minhas mágoas e parcerias.

As amizades escorri nas guias
das minhas ruas sem saída,
para no final o bueiro sugar.

As árvores das calçadas aceitaram
as gotas escorridas no seu caule,
para de sede, não secar.


Rafael Cunha

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Cadeira de Balanço

Ontem fui dançar.
Dancei entre os corpos juntos de amor.
Sem ninguém.

Tomei as cevadas.
Me molhei com os amargos.
E meu corpo, envenenado.
Voltei.

Os corpos suados,
os beijos doces,
quando rodopiados,
se  perdem em ilusão.
Chorei.

Sentado em uma varanda,
com os joelhos já travados.
Balancei.



Rafael Cunha

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Largo

Não vim para ser amado,
somente amar.

A cada minuto que passa,
nos distanciamos:
das bocas,
dos abraços,
de cada parte de um amor desejado.

A cada segundo,
um passo pra longe é dado,
um pé do sapato é esquecido,
um olhar desviado.

Me sinto longe,
ao final da corrida,
chegando aos pampas de algodão.

A passos largos,
inundo minha cama com sonhos,
me esqueço das vidas passadas,
me preparo para amar somente a mim,
e a mais ninguém.

Nunca mais.



Rafael Cunha

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Um cão

Um cão me encontrou na manhã de domingo.
Me cheirou como novo, fungou meu rosto e se virou.
Continuou andando e tentando descobrir os cantos do parque,
enquanto sua deusa o olhava atentamente.

Nesta hora, dos seus braços, as borboletas saltaram em minha direção,
entrou nos meus olhos,
me cegou com encanto,
entupiu meus ouvidos,
minha própria voz já não escutava.

A cegueira, a surdez,
faz de mim, hoje,
um homem livre.



Rafael Cunha


segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Olhos Fechados




Em uma encarnação fui eleito seu conselheiro.
Em outra fui submetido aos seus tratos maternos.
Na passada o seu fiel amigo de estimação.
Nesta, o pássaro que canta em suas manhãs chuvosas.
Na próxima, serei o monte de pedra da corredeira, para o rio te banhar.



Rafael Cunha

terça-feira, 23 de julho de 2013

Não Escreva

Não sabia o motivo em parar de escrever,
achei que fosse clarão da minha morte,
ou a foice de um gramado alto.

Talvez a sonolência de um ditado,
ou uma frase feita em um diálogo sem fundamento.

Poderia ser qualquer outro motivo, e agradeço em não ter mais escrito.

Hoje entendo a razão em não escrever mais.

Me isolaram deste direito por eu não me comprometer em minha gerência.
Deus me fez como o príncipe abandonado,
se eu apanhar minha estrela depois de raptada ela me levará pra longe.
Minha rosa ficará, e com ela a sede e a fome.

Hoje eu te entendo em não me deixar escrever mais.

Eu abandono meus números,

Meus olhos se fecham.
Minhas mãos não se tocam.
Minha febre aumenta,
e a morte do meu eu se instala.



Rafael Cunha

domingo, 30 de junho de 2013

Dois Sábados

Há dois sábados, na garoa,
dirigimos nosso carro velho,
em direção a nossa cama.

Há quinze dias,
nos cobríamos em cobertas macias.
Mergulhávamos na piscina azul,
conversávamos em espumas quentes.

Há poucos dias,
desligamos a luz do palco de nossas emoções,
e assim mudar o cenário,
para acendê-la no vazio de hoje, sem ela.

Amanhã,
vou cantar em outros ouvidos,
encenar noutros teatros,
iluminar outros ares,
e acreditar em outros textos.


Rafael Cunha

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Voltando pra Casa

Há pouco tempo fui passear em outras ruas.
Virei esquinas de beijos com solidão,
me sujei com amassos de outras mãos.

Enquanto caminhava não olhava quem passava.
Como um gato mia,
de chôro,
meus olhos vendados para minhas mãos tatear.

Mais nada existia, amor não sorria.

Ontem atravessei uma rua.
Ainda de olhos vendados,
toquei em uma.

Lapidada em texto pelo corpo,
li sua alma com a ponta dos meus dedos,
com o toque dos meus lábios.
Recheado com cheiro dos seus cabelos em nossas bocas.

Ontem atravessei uma rua.
Encontrei o caminho de volta pra casa.



Rafael Cunha

domingo, 24 de março de 2013

Cacho de Vespas

Ainda não estou preparado.
Cada passo é um cacho de vespas desmontado,
milhares delas saem a vôo como pequenos corações desesperados.
Por isso, não estou preparado.

Amar a si, por simples querer.
Não se deixar envolver por quimera de uma manhã de Sol.
Não acreditar no retorno de um lance.
Não chorar os sentimentos de perda como se fosse todos os passados.
De nada fiz.

Me calo na garoa de hoje,
me entralaço nos meus lençóis,
me aqueço com minhas palavras.
Nos meus sonhos, sacio-me com minhas fadas.




Rafael Cunha

sexta-feira, 8 de março de 2013

Tratores do Sul

Das mulheres que falam,
das que abraçam,
delas dos beijos dados.

São as plantadeiras dos meus sonhos,
a irrigação das minhas noites,
as colheitadeiras das novas vontades.

Existem, a que chama minhas chaves,
e a outra que se reporta a imagem.
De vozes diferentes para nós homens obedecermos de formas iguais.

Vocês são os pneus que nos tracionam,
os ventos que nos refrescam,
e o doce dos nossos beijos.



Rafael Cunha

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Rabiscada

Descrevê-la, somente após o lápis apontar.
Com nanquim escorrer a tinta.
Descer a pena em seus ombros,
até suas costas tocar.

Contrastar as cores de suas roupas,
com o bronzeado da sua pele ao mar.

Com carinho as verticais traçar,
as paralelas reforçar,
convergir seus lábios,
e a tinta secar.

Sangrar os traços,
ensurdecer os laços
e mais um desenho formar.


Rafael Cunha

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Menina

Resolvi ser pai de uma menina.
Não quero tê-la como ser meu,
só quero que me tenha como pai.

Ensinar-lhe a nadar,
a brincar,
a cantar,
a brindar, um dia, talvez.

Quero ser o pai de uma menina.
Levá-la ao remanso,
a fugir dos gansos,
e a contar um conto.

Quero ser o velho de uma mulher.
Levá-la ao altar de uma colina,
oferecer suas mãos diante de Deus.

Chorar um tanto,
secar um manto,
soluçar num canto,
e apenas lembrar, de um dia, talvez.

Quero, no fim, me recordar de uma menina.



Rafael Cunha

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Encontro

Dias atrás saboreamos os vinhos brancos,
para depois nos deliciarmos nas sobremesas crocantes.
Nossos jantares não atraem, saciam a fome da solidão.

Dois dias atrás nos desencontramos aos tantos,
para depois bloquearmos nossos encontros chocantes.
Nossas palavras não seduzem, preenchem a saudade da atenção.

Estou triste por significar tão pouco pra você sem acalanto,
depois se arrepender dos cantos,
e me deixar aos prantos.


Rafael Cunha

sábado, 26 de janeiro de 2013

Samba

Ontem foi dia de roda.
Sambei entre os passos suados,
rodei com os braços dados e o rosto colado.

Bebi as cachaças com água do terreiro,
encharquei meu chinelo de dedo, dancei.

Não toquei nos assuntos comuns,
não insisti para solar meu cavaquinho.
Desisti na primeira pergunta dos meus sorrisos.

As mulheres do samba, as mulheres de anas,
ou outras mulheres que amas.

Disfarçadas na maquiagem de bamba,
buscam o desamor de um passo e a fuga de um abraço.




Rafael Cunha


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Coração

Ela é a responsável pelas minhas arritmias,
passadas no feixe de his incrível proesa,
nas delongas sextas-feiras do plantão.

Invés de mim com o bipe está,
pois comigo não deseja,
talvez com ele também deve ficar.

Dos dois pólos restou o sal solidificar,
a carne ressecar, o meu sangue salgar.
Polarizar os canais dos ódios.
Despolarizar os canais dos potes.

Meu coração desfibrilar,
um choque tomar,
haja minh´alma voar.


Rafael Cunha

sábado, 10 de novembro de 2012

Programa

Quando voltar me traga um terço,
torça o encharcado das minhas roupas ao seu toque.
Limpe-me com a umidade dos seus lábios.
Com seu olhar, seque-me.

Apresenta-me seu programa noturno,
reprisa-me em todas as manhãs, perto.
Abaixe o volume aos meus ouvidos.
Não mude de canal.
Quero assisti-la até meu sono chegar.

Da preguiça matutina, até o próximo jantar.
Te vê-la levantar, seus sorrisos, sorrir.
Me divertir com você.
Brincarmos com nossos filhos no faz de conta.
O suco do maracujá, tomar.

Quando voltar, avisa-me, estarei sozinho.
Assim com você nossas vontades saciar,
teu vestido te vestir.
Ao nosso amor, brindar.


Rafael Cunha

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Saberá

Devo admitir, não sabemos nada sobre o amor.
De onde vem, pra onde irá, nem mesmo onde ele está.
Confesso. Eu tentei resgatá-lo das profundezas,
pronunciei o seu nome, exaltei suas formas, em vão.

No meio do processo de ressurreição desisti,
afinal é um fardo pesado de se carregar só.
Aprendi que não podemos trazê-lo até que ele nos queira.
O amor deverá vir até nós.
Sem perguntas, aceitá-lo do jeito que és.

Não sabemos nada sobre ele.
Selvagem é o próprio.
Indomável.



Rafael Cunha


domingo, 4 de novembro de 2012

Paulo

Estive no sonho de Paulo.
Ele era quem brincava com meu pai,
eles cozinhavam as couves do jardim
depois da escola a sós.

Na cama, Paulo recebe suas lembranças aos domingos.
Por ele os finais de semana passariam a ser todos os dias,
a ansiedade do sábado e a satisfação no dia seguinte.

Hoje estive no sonho de Paulo.
Não me pergunte qual foi,
pois eu não o perguntei.

Nos últimos dias sonhei com outra vida.
Percebo que o acompanho na preparação desta viajem.
Seguro suas mãos e o acalmo para seguir em paz.
Volte sempre, amigo.




Rafael Cunha

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Noutro dia

Amanhã vou poder acordar com você,
sem dizer bom dia, vou sair no silêncio do seu sonho.
Trancarei a porta pelo lado de fora,
e nunca vais me procurar.

Irei descer os elevadores dos seus céus,
até no subterrâneo ficar.

Quero acordar com você amanhã,
gritar na descida meus nós amarrados,
convidar outros andares pra me acompanhar.
Forçar a queda para o cabo arrebentar.

Vou acordar com você pela manhã,
para ter o prazer em te deixar.
Desatar nossos abraços.
Recolher nossos cacos.

Não quero mais te ver,
sem sorrisos por me querer.



Rafael Cunha

terça-feira, 30 de outubro de 2012

A Semana

Há sete dias que não a vejo.
Para mim, uma lembrança.
Pra você, o sossego.

No primeiro dia disfarcei minha ansiedade,
entrei no mar e curei a saudade.
No segundo na cachoeira fiquei, pra lavar-te da minha pele.
Mais um dia, me sequei ao Sol.
No dia seguinte tatuei você nos meus versos.
Rabisquei você em minhas palavras.
Quinto, e ainda com resquícios seus.
Contado o sexto, dancei, te esqueci completamente por horas.

No último dia acordei sentindo sua falta.
Não pude nada fazer, fraco sou eu,
o tempo passou depressa.

Você ficou pra trás da minha corrente,
nem o sopro de uma ventania poderá trazer você de volta.
É melhor que assim seja, sem você.



Rafael Cunha

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Riscado

Quero ter o corpo riscado por um lápis,
ser desenhado como queiras.
Pintado com guache,
para no próximo choro se apagar.

Desenha-me com suas mentiras,
a ambição e seu esquecimento.
Aponte o lápis.
Afie a ponta com seus outros amores.

Risque-me.
Reforce meus traços,
assim serei a cópia da sua ingratidão e superficialidade.

Pinte-me
Preencha-me com seu desgosto,
para todo amor se esgotar.

Somado a suas lágrimas de arrependimento,
e eu serei o novo desenho para outras peles de Marias.


Rafael Cunha







domingo, 28 de outubro de 2012

Ser Metade

Ontem descobri como ser metade.
Antes eu era inteiro, completo.
Dava chance a elas,
de conhecer o verdadeiro eu.

Disposto, recebi o recado de um beijo contra minha vontade.
Partiu meu coração ao meio,
quis fugir, mas decidi ficar
e usar uma das minhas metades partidas, e disfarçar.

Retirada a poeira, dancei.
Sangrando por dentro, beijei.
Debaixo da lua, sorri.
O seu corpo, bebi.

Percebi que as metades se regeneram,
criam outros corações.
Mais fortes, estes não se entregam em um vendaval.
Abrem janelas, e amam outros horizontes.

Metade é o que todos merecem de mim,
já de você não quero ter uma parte sequer.



Rafael Cunha


quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Curar uma Saudade

Para esquecê-la, viaje.
Não comente sobre a falta que ela faz a você,
nem sobre os beijos sinceros.

Com sua segunda alma, se encontre.
Mergulhe no mar mexido e flutue,
deixe que as ondas os lavem.

Volte e almoce, com doces.
Faça do frio o alimento para seu coração,
esqueça os dois melhores encontros que tiveram.

Saboreie a neblina na queda de um morro,
deixe-a percorrer seus pensamentos.
Porém, não a procure.

Tenha uma overdose de visões,
assim irá perceber o quanto ela é ausente.
Chore e escorra a falta.

Na volta do consciente,
force seus sorrisos,
olhe para outros risos.

Acostume-se, ela não irá voltar. 





Rafael Cunha

domingo, 21 de outubro de 2012

Por que existe saudade?

A saudade suga a alma,
como o sal desidrata a carne
e conserva a paisagem.

Ela faz parte de um mar de felicidade,
afinal és quem firma a passagem de volta.
Sopra, como vento, o recomeço na mesma história.

A saudade é o inverso da despedida,
é a chance do retorno comum,
te convenço que sem ela não há volta de corpos como os nossos.

Sem ela não há respostas de uma carta,
não existe o desejo de uma alma,
ou o encontro num lugar qualquer de Olímpia.

A saudade é tempero de um mar cristalino,
é o encontro das ondas nos rochedos,
o desfazê-lo para areia branca criar.

És ela, quem fabrica palavras de um verso.
O motivo da existência de um corpo
e das lágrimas do recordar sem sentido.

Sinto a falta do seu nariz,
da ressaca de nossas noites
e da vitamina de nossas manhãs.

Saudade.



Rafael Cunha



quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Bom Dia

Eu prefiro acordar ao gosto de vitamina.
Prefiro ainda espreguiçar-me no seu canto quente da cama,
sentir seu cheiro em todos os  travesseiros nela espalhados.
Ainda olhar-te vestir e sair.

Dividiria nosso espaço com nossos cães,
não tomaria o seu espaço em vida.
Te amaria do jeito que és, linda.

Nada disso existe,
sequer meu bom dia triste.
Me dedico a madrugada,
onde nada de você persiste.



Rafael Cunha


quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Pós-Morte

Primeiro dia sem você,
é como o primeiro da pós-morte,
o silêncio,
as não cores,
as vozes ao fundo.

Sem você no primeiro dia,
é agoniante, o esperar do toque da vida sua,
aterrorizante em saber que não voltará,
é a morte da esperança em não ter a quem amar.

Sem o primeiro dia com você,
foi não realizar um sonho,
o decepcionar de um amor não correspondido,
a tristeza de nunca te beijar novamente em vida.

Hoje é meu primeiro dia pós-morte,
não sinto minhas pernas,
e não quero voltar para o ontem em vida.
Vou ficar e caminhar nas sombras de outras meninas.



Rafael Cunha


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Mil Versos

Recomeço a escrever meus mil versos, sem Maria.

Mulheres podem gostar de flores, mas não de poesia.
Acham que os versos são falsos e feitos para conquistá-las, sem harmonia.
Enganadas, os versos são verdades ditas sem voltas,
são realidades descritas sem rotas, são sentimentos escritos em nota.

Mulheres gostam de flores, mas não de poesia.
Gostam das flores e suas pétalas que caem, seus caules que murcham,
seu brilho que acaba, e sua vida que definha.
Os versos não se calam com uma borracha,
são ditos em cacos, lembrados aos trapos,
mas nunca são acabados.

Elas gostam de flores e não de poesia.
Não gostam das palavras suaves de uma matina,
gostam da secura de uma planta sem vida.

Estou cansando de fazer poesia,
quero deixar de lado meus papéis,
cada dia perco um amor para a rotina.

Estou cansado de fazer poesia.



Rafael Cunha

domingo, 14 de outubro de 2012

Estrela

Queria sair com as estrelas cadentes,
deixar os céus da ressaca,
para amar outros sóis, ó princesa.

Para cada cometa um silêncio de Mayra,
em cada gota de tristeza uma volta de Maria.

Queria amá-la sem tempo,
lentamente conhecer seus eus,
sentir seu coração pulsar por mim, estrela.

Enquanto não estacionar numa brilhante,
ainda com a minha chuva de cometas,
e meu banho de silêncio seu,
me recordarei de você, Mayra.




Rafael Cunha

sábado, 13 de outubro de 2012

Mayra

Pode ser que seja sim, minha culpa.
Seja eu, o culpado pela sua fuga.
Culpado eu, por sua ausência.

Que seja minha a responsabilidade,
meu riscar em um papel errado.
Admito que não quis nada, enquanto pra você,
não houvesse o mínimo.

Foi de feito, errado.
Quis beijá-la já no primeiro chá,
abraçá-la no segundo toque.
Tenho dito, de todo errado eu sou.

Ter um motivo para escrever uma vontade,
falar do amor, sem mesmo tê-lo existido na verdade.
Escrever uma história com um final feliz, sem dor.
Uma paixão sem motivo, história ou flor.




Rafael Cunha




terça-feira, 9 de outubro de 2012

Durma Bem

Busquei em cada sorriso, você.
Me estiquei para cada olhar, te ver.
Escrevi de cada singular, um plural.
Cada passo foi para descobri-la.

Enquanto eu caminhava você, dormia.
Um sono no qual nele, eu não existia.
Vou sentir saudade do nariz mais belo,
dos seus óculos listrados,
do seu perfil suave.

Vou deixá-la dormir seu sonho,
para quando um dia acordar,
estar descansada de outros.
E eu, com o café da manhã em seu colo, morena.



Rafael Cunha

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Boa Noite

Esperar por um desejo de boa noite,
é como esperar que as estrelas se apaguem,
é esperar suas cadências em uma parte.

Esperar pelo seu desejo de boa noite,
esfria o espírito quente de um amor,
o envolve das cores mais cinzas,
como a espera da tempestade.

Não ter o seu desejo em uma qualquer noite,
é como o não respirar de uma vida nascente,
é ter o não suspiro, de uma mãe contente.
É descobrir nunca ter existido para você, poente.

Minha estrela que põe-se nas montanhas de outroras,
não me deixe sem seus desejos,
sem a coberta dos seus afegos,
ou o toque dos seus selos.

Um beijo.





Rafael Cunha

Último Recado

Não quero que se esqueça de como te tratei.
Como a desejei um dia após ao outro na sua companhia.
Não sou ninguém desta vastidão para lhe fazer compreender o meu amor.
Sou um estranho, que somente suspira tua presença.

Meu espetáculo chegou ao fim,
as cortinas se fecharam,
desfaço a maquiagem,
e ouço os últimos aplausos com as luzes apagadas.

Não consigo ainda perceber o tamanho de tudo,
mas quero lembrá-la que foi inesquecível,
cada palavra,
cada sorriso,
e os dois beijos apaixonados.


Rafael Cunha

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Campo

Hoje queria nunca ter escrito uma palavra de amor,
não ter dado uma flor sequer,
nunca ter me aventurado em um desconhecido.

Hoje a noite cai, a neblina baixa para um palmo enxergar, o seu.
Erro de um homem ao tentar atravessar o descampado sem uma mão segurar.



Rafael Cunha

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Tal

Quando quis te conhecer, nada era normal.
Haviam sentimentos atravessados e tal.

Assim, que eu te conheci,
vi que era natural,
deixar um amor de lado, banal.

Hoje já te conheci,
e tenho que aceitar,
um amor sincero, talvez, brotar.

Pode não ser realidade,
Poderá ser somente uma vontade.
Mas deixe um infinito de amor, sonhar.



Rafael Cunha



domingo, 30 de setembro de 2012

Com Ela

Sentado, pensando ao sabor do mate, ela aparece.
Rosa, com óculos, linda.
Conversamos sobre as estrelas sob o luar de quinta-feira.

Dado a hora as portas se fecharam,
corremos pelas escadarias de emergência,
para encontrarmos uma saída.
Sem respostas, tomamos o rumo do incerto.

Dentre as quatro portas,
nos beijamos,
levemente,
com a calma de um desejo.

Hoje me resta a saudade de mais um beijo.





Rafael Cunha

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Vitamina

Queria acordar depois de um sono grudados,
despertar com você ainda dormindo e preparar nossa mistura.

Usar a sedução de um morango, o perfume de uma maçã,
a doçura de um melão, a força das bananas, a polpa de uma pêra,
e a fonte de um leite.

Liquidificá-los em uma poção de amor,
gotas de carinho, pra você morena.
Te curar do mal,
te fazer o bem e te amar para todo o sempre.




Rafael Cunha

Trilha

Te seguirei pela trilha de suas forças,
para te segurar em um escorregão qualquer.
Levarei a mochila das nossas coragens,
e te alimentarei com todo meu amor.

Construirei ao entardecer nossa cama,
para o frio dissipar, e o calor chegar em nossos corpos.

Acordarei para pescar os peixes dos nossos almoços,
e você continuar a dormir seu sono profundo.

Lavaremos nossos rostos na gelada água do riacho,
mesmo que o acampamento seja no quintal de nossa casa,
a aventura de estar ao seu lado cria uma ligação forte aos corações.




Rafael Cunha




domingo, 16 de setembro de 2012

Hoje Não

Hoje não sei oque escrever,
estou triste por ter sentido amor por você.
Triste em te esperar a cada minuto depois do último encontro,
e não te ver, não te sentir.

Hoje não quero escrever,
estou cansado por ter esperado você.
Cansado em me imaginar ao seu lado,
sorrindo nos seus lábios, dançando devagar com você.

Hoje não vou escrever,
estou sozinho por um dia ter encontrado você.
Sozinho e acompanhado da minha saudade,
da sua face, dos meus encantos pela sua voz.

Hoje não posso escrever,
se puder anote estas palavras ditas.
Anote oque puder, oque quiser,
depois leia-me como um conto de fadas.




Rafael Cunha