quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Janeiro

Ao invés de esperar janeiro,
comecemos a partir do estado.
Diga-me para adoçarmos o pão de açúcar,
afim de botar fogos em nossa relação.

Em um rio qualquer,
sempre terá um janeiro para o recomeço do nosso amor.

Rafael Cunha

domingo, 27 de setembro de 2009

Da Saúde

Eu amo você.
Sinto a falta dos seus cheiros.
Da sua boca com suas palavras.
Sua comida com suco e torta de limão.

Quero te carinhar, tocar seu rosto,
ver você fechar os olhos de paixão.
Se curvar de desejo.

Volta.

Vem fazer almoço.
Estamos atrasados.
Corra.
Não me deixe ir.
Puxa-me as mãos e me peça para com você ficar.

Rafael Cunha

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Temperada

Entre os bancos colchoados, todos os ingredientes.
Seu cheiro doce nos meus lábios, água minha boca.
Surge o estouro da sua goma.

- Venha e estoure minhas vontades. 
Percorra a estrada ao meu lado.
Abasteça seu novo amor e infla-me com seus beijos. 
E eu vou te querer para todo o sempre.

Rafael Cunha

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Contrato do Reamar

Somos feitos um para o outro.

Temos defeitos, ira, desejos e vontades.
Nosso amar é assim, louco.
É vontade de ter e não querer.
É desejar o toque e evitá-lo.
Ter orgulho numa ira qualquer e sem importância.
Ter todos os defeitos que um grande amor pode ter.

Nosso maior e grande amor pode ter defeitos.
Estes são a matéria para que o amor pegue fogo, para nos lançarmos ao vento, desafiarmos gigantes em lugares fantásticos para no final vencermos com nossos beijos apaixonados.

Me perdôe.
Sou seu amante incondicional. É você quem eu quero.

Me delicie com sua voz e seu sorriso apaixonado.
Te esperarei, durante toda a madrugada fria, embriagada.
Vou confiá-la sem perguntas.
Reamar você todos os dias, como uma paixão de Romeu para reconquistar o seu amor.

Resgate seu amor.
Não cubra-o com noites desvairadas e amores mentirosos.
Se enterrá-lo, ele nascerá ainda mais forte e certamente não haverá minhas mãos para colhê-los como nesta primavera e se amá-los nunca será tão verdadeiro como o nosso amor.

Venha pra casa hoje.
Durma nos meus lençóis brancos, lhe dou meus três travesseiros.
Serei o sentinela dos seus sonhos, para somente os mais legais surgirem.
Não vou acordá-la. Não vou tocá-la.

Vou amá-la com meus desejos.
Pensar que amanhã, você irá acordar e sussurrar para mim ainda sonhando:

- Amor, eu te amo.


Rafael Cunha

sábado, 19 de setembro de 2009

Noite

Se um dia me deixar,
que repita antes, a noite de hoje.

Olhe nos meus olhos com o brilho, de quando, em um bar.
Satisfaça minha fome em te amar.
Um silêncio teu, para depois me querer e roncar em meus braços.

Quando o despertador tocar, pegue o meu sonho e o saboreie no café da manhã.

Rafael Cunha

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Na Cozinha

Vamos dançar?

Dançar nos azulejos, na casa, grudados sem rejunte.
Entre as panelas em ebulição,
condensar meu suor no teu rosto.

Picar as salsas.
Chorar com as cebolas.
Adoçarmos um ao outro como o mel do meu amor.

Sentir tua respiração no meu beijo lento,
poder inspirar você e estufar meu peito de paixão.
Quero tua boca macia com a voz encantadora.

Dance comigo.

Tire teu sapato.
Para os calos se calarem nas nossas valsas.
Toque os calcanhares em minhas pernas.
Me ame como se o passado não existisse.

Acompanhe meus passos até a última nota desta partitura.

Rafael Cunha

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Final de Semana

Quero me banhar com músicas tocadas.
Lhe dar flores,
e com você aprecia-las vivas nas campinas,
em seus caules verdes e vigorosos.

Rafael Cunha


domingo, 6 de setembro de 2009

Comentário

A conheci em um comentário.
De longe, apreciava suas covas e sua voz musicada.

Eu faria novas provas por ela, só para na sua cidade morar.
Nela, eu esbarraria os corredores,
a levaria para ver o pôr-do-sol,
venceria o ócio para vê-la sorrir.

Moraria com um barão,
herdaria seu palacete,
e dele faria um castelo,
para ela reinar, amada.

- Lembre-a que na próxima tempestade eu vou dar meu guarda-chuva a um estranho. E na chuva com ela eu ficarei.

Rafael Cunha

sábado, 5 de setembro de 2009

Educação

Minha professora ficou pra trás.
Me ensinou a socar o vento e a sorrir para o espelho.
A sua fará a mesma coisa,
irá ensinar-te a se gostar e que as maiores guerras são contra si mesmo.

E no fim nos deixarão por elas apaixonados por algo que nunca existiu.

Rafael Cunha

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Mulher sem meia

Depois de hoje, o que me resta é fazer silêncio.
Deixei-me corroer as entranhas por você.
Devorei as tulipas, arranquei as acácias e reforcei as hortências.
Fiz mudas, reguei-as inteiras.
Amarrei-as os botões,
descartei as folhas secas de outras árvores.

E agora que cresce,
desiste como o estouro de uma vagem.


Rafael Cunha