sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Manjericão

Nasceu da vontade em estarmos juntos,
presos a quatro portas no escuro de uma garagem.
Desabrochou, levada ao lado de fora, flor.
Suas raízes envolve meu coração,
seus caules sustentam as folhas temperadas,
para mim, alma.

Te quero misturada aos meus amargos, doces,
na cozinha de minha casa,
nos lençóis,
nos meus perfumes,
nas salas e fontes d´água.
Embebedar-me com seu mel,
e me fazer apaixonar além de nossas vidas.




Rafael Cunha


quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Roberta

Sereia morena das águas claras,
molhado seu beijo em meus lábios,
do ontem me resta a vontade de tudo novamente,
com você princesa do mar.

Janaína perderá seu posto de rainha, ao meu gosto, pra você.
Suas covas, seu cheiro e seu sorriso, para mim dourada.
Entre os bancos meus encantos a cada toque de nossas mãos.

Não me deixe ir, quebre suas ondas em meu rosto,
me refresque com seu carinho, amada.
Massageie meus ombros cansados a sua busca.
Te quero comigo pra sempre nos meus braços.
Aos nossos laços.



Rafael Cunha






domingo, 26 de agosto de 2012

Flores

Prefiro sementes ao invés de flores.
Arrancar uma flor é abortar um ser vivo,
deixar que ela não se insemine com o pólen de outras,
é arrancar a chance da vida abruptamente.

Não quero e nunca lhe darei flores,
prefiro meus versos para seu encanto, girassol.



Rafael Cunha

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Morena Lisa

Chegou sem avisar,
apareceu para nadar.
Na época, me encantei pela sua doçura.
Hoje, me agarro a sua beleza, mulher.

A probabilidade de nada acontecer é alta,
mas a vontade de que aconteça é muita.
Seus cabelos lisos ao pé do ouvido,
sua boca ao meu encontro, dúvida.
Com um abraço tímido, seu cheiro,
satisfaz a vontade em tê-la para minha vida inteira.

Morena escorrega por entre meus dedos,
não quero te perder por mais um dia, lisa.



Rafael Cunha


sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Bruna

Queria que não fosse uma,
de tão longe seria pra mim, algo.
Derrotado pelo amor, a conheci, pluma.

Na queda do alto de uma árvore,
entre os meios das penas esmigalhadas por um gato, Bruna.
Sua queda como pluma, acompanha o sopro do vento,
entre as sombras das folhas,
rebatida entre os galhos e abraços de outros,
Cadência de suas vestes sopradas para a clareira.
Encosta em meus lábios, você, Bruna.

Só assim despertas o eu, nesta selva em galhos meu amor, pluma.



Rafael Cunha

Um

Enquanto houver uma lembrança,
haverá uma esperança.
Enquanto houver uma saudade,
haverá uma vontade.

Quando somente uma pessoa lhe vê,
ainda há tempo de conquistar, um amor.
Enquanto você a ignora ela triste fica com seu próprio apavoro,
assim se desmancha em lágrimas por você.

Ainda, somente hoje, te amo para o resto das minhas lembranças, única.




Rafael Cunha

domingo, 5 de agosto de 2012

Reflexo

Numa roda de samba dancei,
com seu reflexo sorri.
Dançamos juntos com as cochas entrelaçadas,
para depois às colchas chegar.

Das cuícas gritavam nossos desejos,
dos pandeiros os chacoalhos dos nossos beijos,
do violão o baixo, ao marcar o compasso da solidão, sem você.


Rafael Cunha


quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Agosto

À gosto de um sabor,
com gosto de você.

Sentir o calafrio de um beijo quente,
ouvir as palavras que não queres me dizer.

Gosto assim, espontâneo como Agosto.
Que nele a raiva de um cão louco de amor,
atormenta as noites de espanto de um vizinho sem gosto de paixão.

Gosto do Agosto de hoje,
do antigo não me lembro mais.
À gosto de um novo amor,
francesa no meu menu de sabores ao meu gosto é você.



Rafael Cunha