terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Furacão

Podem falar, podem gritar, podem dizer o que for.
Mas não existe nenhum beijo como o dela,
nenhum cacho ou sorriso.

Por isso, hoje é só ela quem existe na terra do faz de conta.

Rafael Cunha

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Caldeira

Gosto de cabelos presos.
Se fosse um mago, usaria meus feitiços para todas as mulheres usarem, como ela.
De todas as caldeiras ela é a única que quando passa, o vento insiste em ficar com seu vapor.
Deixaria de lado meus poderes, para poder senti-los, somente soltá-los para no meu rosto suar, e depois prendê-los nos meus lábios para deixá-los jamais.

Rafael Cunha

Odila

Nos meus jantares no dia de chuva de encharco,
era ela que sentou ao meu lado.
Na enxurrada do seu rio eu a observava molhada para caso nunca mais vê-la.

Ontem a reencontrei seca.
Linda, com seus colares e as vermelhas calças ao vento,
sapateava seus olhares entre as mesas ainda não servidas.

Quem nos apresentou foi Odila.
A fêmea, como um rio, me jogou junto as margens da sua paixão e me convenceu que nenhum dos meus novos amores lavaria minh'alma como ela.

Rafael Cunha

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Almas

Estava com uma de minhas almas agora do lado de fora, na calçada.
A gêmea e eu tivemos o prazer de observar a chuva chegar junto ao pôr-do-sol das nossas tardes de parceria.
Como um furacão, nos juntou no seu olho para enxergarmos a força de uma amizade.

Rafael Cunha

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Passo 1

Para alguém passar a te amar,
primeiro passo é fazer com que ela sonhe com você.

Rafael Cunha

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Papo com o Sol

Assim que pediu, peguei a primeira estrela cadente ao Sol.
Agarrei-a com força para não me desgarrar de você.
Meteoros tentaram impedir minha viajem, atacaram-nos contra nossos corações.

Desviei.

Percorri o caminho mais longo, para ferver em seus raios.
Quando suava meus últimos delírios, perguntei-lhe onde estaria no amanhã.
Questionado, eu disse que esta viagem até ele era para pedi-lo que iluminasse todos seus amanhãs.


Rafael Cunha

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Solteiro

Você descobre que está solteiro quando passsa a se apaixonar diversas vezes durante um único dia.

Rafael Cunha

domingo, 10 de outubro de 2010

Trechos

Apesar de termos um par de encontros, nos amamos.

Nossas vidas tomarão rumos distantes,
mas sempre iremos lembrar da gente, juntos.

Como já disse, hoje nossos corpos não estariam tão distantes dos nossos corações se eu não tivesse escrito uma frase naquela manhã em Recife.

Só deixaria de escrevê-la
se me oferecessem uma outra vida inteira de amor com você.

Rafael Cunha

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

domingo, 26 de setembro de 2010

Supermercado

Entre as filas dos caixas, este o primeiro em frente a porta central.
Ela irradiava os raios dos amores que eu tanto procurava.
A primeira vista, exitei.
Na segunda, descobri suas flores perfumadas.
Talvez na terceira, eu passe despercebido para desta flor não apreciar.

Rafael Cunha

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

A Falta

Tem dias que penso:
- Se tivesse esperado mais uma vida para saborear seu lábios doces, talvez hoje nossos corpos não estariam tão distantes dos nossos corações.

Rafael Cunha

terça-feira, 7 de setembro de 2010

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Gisele II

Hoje sonhei com Gisele.
Sonhava um baile, onde dançavam os sorrisos.
Ela com uma amiga, e junto a elas, filhas de ambas.
Brinquei com a criança sem saber quem sua mãe era.

Quando me vi, estava sendo molhado com os gritos daquela mãe.
A mais linda, me esgotava com suas palavras.
Vieram as lágrimas.

Seu marido chegou, e com ele uma arma.

- Não me mate, pois se eu morrer, morrerá todo o amor que sua esposa jamais terá.

Rafael Cunha

sábado, 7 de agosto de 2010

Camila

Mulher dos mais belos olhos,
que lindas suas palavras.
Estou sim gelado, em muito tempo,
saboreando meu próprio gosto.
Encontrei algumas nos dias de frio para entorpecer minhas vontades.
Mas o suor, o calor, o corpo molhado, os olhos, nada eram tão claros quanto ao passado.
Com o ele revivo-os em pequenas doses junto a mistura do presente.


Rafael Cunha

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Iceberg

Estou gelado.
Não sinto vontade de partilhar meus amores.
Eles foram reversos aos livros e cavalos de puro sangue.
Aos mestiços o meu afeto e para as mulheres que amo a saudade.

Rafael Cunha

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Rosca

Aos galopes rosqueio os vinhos para um brinde aos nossos sonhos.

Rafael Cunha

segunda-feira, 7 de junho de 2010

14 de Julho

Quebrei todas as regras.
Te quis ao cubo, escalei os quarteirões,
te reencontrei na noite fria, sozinha.

Ao te ver, expludo.
Sinto como se tudo dentro de mim fosse levado até a minha superfície, como propósito, vê-la.

Impossível!

Desliguei as máquinas, cortei os fios,
derrubei os postes, para sem energia ficar.

Nada disso adiantou, continuo pensando em você.
Mesmo em outras viajens,
você preenche cada espaço do meu universo sem fim.



Rafael Cunha

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Repórter

Bronzeada pela previsão do tempo,
refrescou-se nos encantos dos meus lençóis.
Ninou nos barcos de velas entre as ondas dos nossos mares.
Contornou nossas costas para encantar-nos os ouvidos.

Surgiu em minha aldeia e posou com sua graça,
se não fosse ela não teria nunca descoberto a doçura de um amor.
Ensinou-me, com um graveto,
a dizer o teu nome entre as areias do meu quintal, junto ao meu.

Sanã.



Rafael Cunha

domingo, 30 de maio de 2010

Paralelo

Para a sereia dos meus mares furiosos deixo todos os meus amores encantados.
Tens o dever de entregar a ela todos os meus versos que aqui recitei.
Não escreverei mais uma centena de frases,
para agradar os olhos cegos de um amor.

Não esqueça de avisá-la que, dela, estou levando
o castanho dos seus olhos,
o amarelo dos seus cachos,
seus sorrisos tortos e indiretos,
junto aos ventos de um respiro aliviado.


Rafael Cunha

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Apis mellifera

Você é a abelha que alimenta meus estigmas,
faz minhas anteras lambuzarem os seus cílios.
Quem me faz contornar a face com meu pólen,
e se faz encher com meu néctar
para a prole de outros alimentar.

Eu me entrego a você,
para no seu vôo, me livrar.


Rafael Cunha

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Via

Tudo tem seu fim, inclusive uma calçada. Para depois, o recomeço na próxima rua.

Rafael Cunha

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Nuca

Quando no calor em um dia de Outono você levanta os cabelos para o sopro da brisa seca.
Poderia eu ser o calor para o ato ou a brisa para o sopro.

Rafael Cunha

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Carona

Em meio as chuvas de Abril sentou-se ao meu lado.
Daqui, a levarei aos seus leitos para nunca se molhar, de tristeza.
Tempos atrás errei seu endereço,
para hoje te achar entre outros recados.

Do meu convite em massa
derreto os sorvetes em ansiedade,
para outra vez na noite de uma sexta-feira,
vê-la na reprise de um filme.

Rafael Cunha

domingo, 25 de abril de 2010

Katherine

Seja anos-luz de distância ou no espaço de um toque, te tenho como parte de mim. Hoje eu sei que naquele tempo quando éramos pequenas, eu havia encontrado a parte que me faltava e que hoje me completa. Ouvia suas risadas pela janela, ela me fazia colocar o bíquini e descer para banhar nossa amizade e brindar o encontro de uma parte de mim tão importante.

Com você me sinto completa, antes não era diferente, você é minha irmã de risadas e confidencias, de brigas e paz.

Você é minha paz.

Distante do meu mundo, sinto você eternizada ao meu lado, como eu, sempre estarei ao seu. Nossas vidas seguiram rumos diferentes, cedo ou tarde isso iria acontecer, prematuramente senti a dor e a felicidade do que é a saudade. A príncipio nos deixam tristes, depois, nos fazem sentir a explosão de alegria em um reencontro qualquer.

Que esta explosão de felicidade seja em todos os momentos da sua vida, e onde estiver estarei ao seu lado para brindar mais um momento de alegria, minha irmã.

Rafael Cunha

domingo, 11 de abril de 2010

Chá

Derreteria suas folhas nas águas do meu suor quente,
para extrair o sumo que te alimenta para minha alma saciar.

Rafael Cunha

sábado, 3 de abril de 2010

Vergonha

Você me deu as mãos, seus olhos e som.
Eu achei que tivesse mudado, mas você não muda.
No dia seguinte sumiu dos meus ouvidos,
para viver seu mundo, fantástico e solitário.

Rafael Cunha

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Revolta

Vocês mulheres não merecem jantares nem flores.
Muito menos presentes ou dores.
Vocês são entrelaços sem cores.

Rafael Cunha

terça-feira, 30 de março de 2010

domingo, 28 de março de 2010

Dia de Feira

Amanheci para a noite chegar.
E antes do entardecer, a feira.

Procurei os ingredientes cuidadosamente,
toquei as peles e amaciei a polpa para não azedar o seu desejo.
Em cada fruto, eu imaginava sua boca molhada ao saboreá-lo,
como na primeira vez, em nossas lichias.

Na madrugada preparamos o suco das vontades,
para te ver dormir e me sentir deliciar sob os seus sonhos.


Rafael Cunha

quinta-feira, 25 de março de 2010

Figueira

Hoje plantei uma árvore.
Coloquei a semente em um buraco, enterrei e molhei os caldos para crescer.

Não fiz isso para depois eu comer seu fruto ou saborear sua sombra, fiz para que a semente tenha o prazer do banho em um dia de chuva, que sinta o prazer em gerar frutos para outros agrados, que pelo menos em alguns dias sinta-se bela ao florir em sua época.

Queria plantar mais árvores, se sementes tivesse.


Rafael Cunha

segunda-feira, 22 de março de 2010

Meu Jambo

Eu pensei que tivesse apagado seus olhos do meu desenho.
Pensei, também, que o gosto doce dos seus lábios houvesse se perdido no meu tempêro.
Estava enganado.
O meu céu salpicado com grãos de sais, amanheceu neste domingo, derretido em garoa fresca.
Os mais lindos cães cansaram os corpos ao se divertirem no encontro dos nossos.

Entre uma panela e outra,
fervemos nossas vontades com água de arroz.
Juntos, cozinhamos nossos sentidos no calor de um beijo.
Depois, dançamos na varanda entre os cristais e as cores dos nossos toques.
Por fim, resta a sobra da saudade para mais alguns anos, sem amor.


Rafael Cunha

quinta-feira, 18 de março de 2010

Laura

Deságuo meus amores em um filme.
Para amolecer minha alma em uma lama de desejos.
- E a realidade que me esqueça! Eu quero, sozinho, correr no enredo de mil paixões.


Rafael Cunha

terça-feira, 9 de março de 2010

Cibeli

Onde está suas frases de amor, que tanto guardou um dia, pra mim?
Estou esperando as respostas das minhas cartas de paixão.
Quero ver novamente sua roupa verde junto aos seus cabelos longos, escuros.
Você linda brigando pela escrita certa do seu nome, comigo.

Escreva.
Lembre-se que aceito somente os is nos instantes dos nossos olhares.



Rafael Cunha

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Estar

Te vi mergulhar no sono profundo,
viajou aos astros para o Sol queimar seu corpo
e ressurgir como a ave mais bela dos céus.

Voltou para reencontrar seu amante,
o amado dos seus sonhos,
para sempre voarem com seus véus.


Rafael Cunha

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Suave

Imagino quando suas franjas se espalharão sobre o meu rosto e quando o seu medo evaporar com o sopro da minha voz. Neste dia casaremos em uma igreja qualquer dos nossos interiores, para depois seus filhos correrem nos meus quintais.

Rafael Cunha

Resposta do Gama

Que flores lindas menino,
gostei muito do cartão em branco,
as orquídeas se tornaram coadjuvantes e não menos belas que suas palavras.

Você é um lindo.

Desculpe largá-lo no auge do nosso amor.
Te larguei na queda livre, sem pensar,
não posso amá-lo agora, não quero amá-lo assim.

Eu me afogo em lágrimas, por você.
Meus olhares, meus ombros, minhas pernas eram todos seus.
Eu te amei em todos os encontros e desencontros nos cômodos da minha casa.
Nas nossas fugas em equipe e encontros dos beijos seus.

Eu te amei Rafa.

Te jogo para longe,
para não me ter em seus braços.
E os laços, para os abraços, nunca mais terei.


Rafael Cunha

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Escreveram - Reescrita

Apesar de nunca mais escrever,
continuo te vendo passar todos os dias.
Com seu sorriso lindo que me contagia.
Fico boba, rindo sozinha, tendo arrepios...
É como se estivesse aqui perto, olhando pra mim, assim.

Leio seus poemas, procuro onde for para revê-los,
saber oque sentes, de como todos que pra mim escreves.

Gosto de lembrar dos nossos encontros,
nossos desejos suando na janela,
você voltando só para ficar mais um pouquinho.

Rafa que Saudade.

Estou de volta aos Recifes e você aqui não está.
Vou ficar na cama olhando a porta só esperando o moreno,
que me deixou dominar por seus desejos,
entrou no meu quarto e fez eu me render a todos os seus beijos.



Rafael Cunha

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

De: Para:

Meus últimos amores.
Amores distantes.
Amor sem sentido.
Um bem bom, mas com um terceiro amor.


Rafael Cunha

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Gama

Adiei minha permanência,
para cair em suas profundezas,
descobrir o chão, sem nenhuma dor.
Meus poderes e meu vôo,
deixei a beira e ao Sol para a seca castigar.

Me atirei a sede dos leões,
junto ao encharco de lágrimas,
para seus olhos alcançar, sem amor.
Com a força que me resta,
escrevo este texto,
para se lembrar quem um dia te amou.


Rafael Cunha

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Alphaville

Gosto mesmo é de te ver surgir.
Mais linda que a minguante, aparece dourada como a cheia.
Olhos compridos, sorri seus cabelos em sua formosura.
Seu jambo e pintada, decora os meus céus de todos os dias.
Guia-me como uma piloto nas nuvens, onde pra cada curva me descobrir um novo horizonte.
Apita-me todas as horas, tenta-me com sua voz, para com tudo te saborear para o eterno.


Rafael Cunha

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Volta a Curitiba

Seu sono em meu colo.

Se soubesse que seria seu último beijo,
teria feito mais lentamente o meu.
Se me dissesse sobre outros abraços,
teria lhe dado outros mais fortes.
Se amanhã eu me arrepender novamente,
voltarei para os seus lábios, antes do seu próximo amor.


Rafael Cunha

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Blumenau

Dentro do vale onde os índios fugiam do inverno no planalto, é onde hoje, fujo do calor dos seus toques. Esta é uma carta sem amor e sem saudade. És uma escrita por mim, uma carta na sua totalidade, feitas por somente palavras. Não te amo, não quero me apaixonar por você, não quero te viajar e se um dia eu quiser, venho novamente aos vales quentes de nossos antepassados para me deitar. Aqui, fico longe de você, não sinto falta do seu timbre ou dos seus sorrisos, por aqui o seu silêncio fala mais alto que qualquer tentativa de amor.


Rafael Cunha

sábado, 9 de janeiro de 2010

Recife

Mesmo com a vista dos recifes em minhas costas, prefiro te olhar saborear as frutas doces.
E depois me despedir antes do próximo vôo.


Rafael Cunha

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Minas Gerais

Quero continuar limpando a varanda com suas calças.
Fazer a faxina de nossos corações em uma plantação de milho.
Fritar as pipocas com seus olhos.
Retirar os aparelhos.

Quero seu sorriso com um sorvete.
Seu sono.
Seu ciúmes disfarçado.

Vou mudar de idéia.


Rafael Cunha