quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Mulher sem meia

Depois de hoje, o que me resta é fazer silêncio.
Deixei-me corroer as entranhas por você.
Devorei as tulipas, arranquei as acácias e reforcei as hortências.
Fiz mudas, reguei-as inteiras.
Amarrei-as os botões,
descartei as folhas secas de outras árvores.

E agora que cresce,
desiste como o estouro de uma vagem.


Rafael Cunha

Nenhum comentário: