quarta-feira, 10 de junho de 2009

Istambul

Nos topos de ponta de cebolas.
Nas abóbadas de abóboras misturadas a sementes salgadas pelo mar.
Deliciosa é sua forma.

Lá longe, ali parada, ela fala com os pequenos querubins em suas lâmpadas pedindo para que eu volte para seus braços.
Com misericórdia, urra para que eu deite em seu colo.
Quer que eu volte para o expirar no seu pescoço e o sopro no seu ouvido.

Sussurra para os anjos.
Pede a eles segredo.

Já que, anos nos separam e outras vidas nos atormentam.

Eu digo:

- Volto com uma condição.
Que me ame até o último sentido. Me queira até o último gole.
Deseja-me para o sempre, como eu cego querendo ver, como eu surdo querendo ouvir, como eu morto querendo viver para ter-te mais uma única vez.

Rafael Cunha

2 comentários:

PRILA disse...

Rafa q lindo, ameiiiii

Musa dos seu olhos disse...

Muitas coisas me fazem confundir... Nooossaaa que sentimento...
É com alegria e desejo que leio e entendo todas essas palavras...

Lindo....