quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Pra você

Guardo-te numa caixinha,
nesta caixa terá você, com partituras.
Frutas, doces e vontades.
comidas sem cebolas, batatas sem palha.

Terá também na tampa,
pôr do Sol, nascer da Lua e estrelas.
Chuvas. Algumas para refrescar.
Copos para o nosso café da manhã,
pratos para nosso jantar,
gravata para eu ir trabalhar,
comunicador intergaláctico.

Ventos leste, e um mar.
A cachoeira ficará no cantinho da caixa.
No outro canto haverá cavalos, cachorros e macacos.
Nossas famílias e amigos,
eles terão uma cópia da chave desta caixa.

Flores pra te dar todos os dias.
Um campo de flores na verdade.
Onde a brisa levará nossas sementes
para preencher todos os nossos campos de amor.

Haverá também sophias, joãos e pedros,
sombras de árvores, nossas casas,
nossas camas, lençóis gelados,
Cobertores quentes.
Travesseiros.

No meio da caixa, nós.
Lindos como somos,
corajosos como somos,
Com nossos amores.


Rafael Cunha.

3 comentários:

Joanne disse...

Lindo.

Simone disse...

Devo admitir... é profundo... muito lindo...

Carolina Saraiva disse...

O meu preferido :) Tanto o poema quanto o Sr Rafulds