terça-feira, 16 de setembro de 2008

Ao Lado

A vizinha das mais belas covas,
dos mais belos lábios.
A sereia que não é peixe,
e nada por outros mares.

Mostra-lhe o Norte entre os Atlânticos.
Doa-lhe as flores e espelhos de Janaína,
para que saiba da tua beleza
e quão belo és teu sorriso.

Diminua o movimento, e
olhe o toque dos teus olhos.

Olhar que clareia os mares de outros.
Como a Lua, padece sobre meus braços,
me tira o escudo e minhas armas.

Dragão da eternidade!
Ela é a mais bela dentre tantos corais.
Não há colorido maior que tuas palavras.
Bela que me faz a alma.

Rafael Cunha

3 comentários:

Melodramática... disse...

"Não há colorido maior que suas palavras."







"Sei que falo palavras repetidas, mais quais palavras nunca foram ditas?"





Porquê os nomes das mulheres dos poemas são sempre os mesmos nomes?

Melodramática... disse...

Quero casar com você.

Simone disse...

Ao Lado....
Acredito que já fez parte da vida de muita gente...
Que sejam todos muito felizes... peço apenas que vivão o hoje...